sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Geografia da Música Popular Brasileira

link: http://arte.folha.uol.com.br/ilustrada/2017/musica-muito-popular-brasileira/introducao/

Obs: Os não-assinantes da Folha conseguem visualizar até 5 matérias no site da Folha ou até 10 se for cadastrado no site (é necessário o login e senha).

O que ouvem os brasileiros

Os fãs de MPB estão concentrados em cidades litorâneas, assim como os de gospel e reggae. O funk paulista domina áreas centrais das regiões Sul e Sudeste. Já o sucesso da Galinha Pintadinha é homogêneo. Afinal, que gênero merece hoje o rótulo de música popular brasileira?
A artista mais ouvida do país, a cantora sertaneja Marília Mendonça, 22, tocou 31 vezes mais que Chico Buarque, 73, nos últimos três anos.
Mas por que sertanejo, funk e gospel dominam as paradas hoje? Os brasileiros realmente trocaram rádio pelo celular como ferramenta para ouvir música hoje? De que forma as novas tecnologias transformaram a produção musical de gêneros populares nas periferias?
Neste caderno especial, a Folha de São Paulo investiga esses e outros temas a partir de entrevistas, estudos e, principalmente, dados do YouTube —plataforma digital mais usada para ouvir música no país e no mundo.
A análise de 134 bilhões de execuções, de 2014 a 2017, permite traçar a geografia dos fãs de artistas nacionais e estrangeiros pelo território nacional. O retrato se propõe como um convite a se afastar das bolhas sociais e descobrir o que faz os ouvidos dos brasileiros.
Popularidade dos Artistas por Região


segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Avaliação da qualidade de dados geoespaciais IBGE

link: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101152.pdf

O manual técnico em Geociências de Avaliação da Qualidade de Dados Geoespaciais visa orientar as inspeções de qualidade de produtos geocientíficos, retratar a qualidade dos dados geoespaciais e proporcionar o controle e alcance de níveis de conformidade demandados, tanto pelo produtor, quanto por seus usuários. Para tal, utiliza-se das orientações de normas internacionais, de especificações técnicas nacionais e da literatura sobre o tema.
A publicação enfatiza a necessidade de adoção de padrões para avaliação da qualidade de um conjunto de dados espaciais. Tendo isto em vista, é apresentada inicialmente uma visão geral do conceito, das normas e padrões e dos elementos de qualidade de dados geoespaciais. Em seguida são abordados conceitos e métodos de amostragem aplicados na avaliação de dados espaciais, assim como a elaboração de planos de inspeção amostral para estabelecer critérios de aprovação e reprovação do produto geoespacial inspecionado. Posteriormente é delineada uma diretriz para a avaliação de qualidade de um produto geoespacial, com orientações acerca da elaboração de catálogos de medidas de qualidade, do método de inspeção amostral e completo e de relatórios de qualidade independentes. Por fim, é evidenciada a importância de relatar as aferições de qualidade nos metadados do produto e são oferecidas instruções para fazê-lo. Ademais, são apresentados exemplos de medidas de qualidade para alguns produtos geocientíficos do IBGE, agrupadas em consistência lógica, completude e acurácias (temática, posicional e temporal), sob a forma de Apêndices.